TOPO Header Ads

SUGESTÕES E OPINIÕES ENVIE PELO WHATSAPP 55 98134 - 2776

18 setembro, 2017

A Revolução Farroupilha e o Massacre de Porongos. Por: Wilian Molina Bento


Por: Wilian Molina Bento (Acadêmico do curso de História – Lic/Bac na UFSM)

Precisamos pensar o contexto da Revolução Farroupilha como uma guerra civil que opôs os proprietários gaúchos ao império.

Esta revolta foi a revolta dos estancieiros contra um tratamento do império que os farrapos consideravam inadequado, pois queriam pagar menos impostos, queriam um tratamento privilegiado por parte do império. Para que houvesse a insurgência dos revoltosos, eles precisariam de poderio militar, além do que já tinham, então tinham como possibilidade buscar essa mão de obra militar nos escravos ou ex escravos ( principalmente do império), prometendo pra eles a alforria após o término da revolução, surge então a companhia militar Lanceiros Negros.

Precisamos dizer que esses negros, trabalhadores escravizados que foram cooptados das fazenda do inimigo não lutavam com os ideais farroupilhas, lutavam por um único ideal: a liberdade. Esses mesmos que lutaram com força e coragem foram vítimas de um massacre, o Massacre de Porongos.

Este episódio que ocorreu em 14 de novembro de 1844, foi uma traição de Davi Canabarro, (comandante farroupilha, líder da companhia dos lanceiros) , contra os negros. Essa traição ocorre porque estaria muito perto de ocorrer o Tratado de Paz Honrosa, que dá fim a revolução e o Rio Grande passa a pertencer para o império.

Com o fim da revolta era necessário dar um destino aos lanceiros que lutaram esperando a alforria, havia duas possibilidades: entregar os negros aos proprietários ou a liberdade, os farroupilhas neste momento se dividem, uma parte aceita entregar os negros aos seus proprietários e outra parte resiste.

Havia farroupilhas como o Neto que resistiu por ter medo de uma rebelião dos negros contra os estancieiros, considerando que era uma traição ter prometido liberdade e depois devolver eles a vida escrava, então ocorre o avanço imperial contra o acampamento dos negros, (onde eles se encontravam desarmados porque uma noite anterior ao acontecimento Canabarro desarma a infantaria), sofrendo um ataque sem direito a defesa. Mas porque o ataque foi encima do acampamento negro? Porque os comandados de Davi Canabarro, não se defenderam ou não previram o ataque? Isso ocorre porque houve traição, com um único objetivo: deveria ser dizimado somente os negros.
O episódio de Porongos é a maior traição dos farroupilhas na história.

Os defensores da historiografia farrapa, preferem falar somente dos lanceiros, pois estes estavam armados, a traição que eles escondem é em relação aos infantes pois estes sim estavam despreparados para defender-se.

Hoje é necessário fazer memória desse episódio e junto dessa memória fazer reparação histórica de um episódio marcante na guerra que foi perdida e que mesmo assim tem dia e data para comemorar, 20 de Setembro, consequencia do vencimento de um discurso ideológico, servindo como simbolo político de um passado gaúcho que é romantizado, isso é uma mitologia criada pelos farroupilhas.

O discurso de que a revolução era humanitária, fraterna, e libertadora pode ser considerado uma inverdade histórica, pois essa foi financiada vendendo negros para o Uruguai, usou negros imperiais como obra militar e depois os trai em Porongos.

Para muitos Porongos é um assunto intocável por remexer em fato que coloca em cheque a história sul riograndense e dois personagens dessa história oficial: Canabarro e Duque de Caxias.
Com um ponto todos concordam, a república não resistiria tanto tempo aos domínios do império sem a presença de luta dos lanceiros negros. A abolição prometida nunca foi dada, resta a reparação história para contar a verdade daqueles que tiveram a morte como alforria.



Texto e imagens: Wilian Molina Bento / Colaboração